October 17, 2012

Afonso Tostes: “Elementos”

Afonso Tostes. “Elementos”. Madeira, 2012

“Elementos” ou a harmonia da forma imperfeita*

Um texto sobre a obra de Afonso Tostes poderia assinalar o fato de que o artista é natural de Minas Gerais para justificar as cores terrosas, as formas sinuosas e a presença silenciosa que caracterizam toda sua produção, a qual passa pela escultura, o desenho e a pintura. No entanto, contornar o dado elementar e óbvio da identidade regional do autor, é o primeiro passo para uma reflexão mais aprofundada do trabalho de qualquer artista comprometido com sua prática e pensamento, como Tostes, que integra hoje um conjunto de nomes relevantes no cenário da arte contemporânea brasileira.

Sua trajetória começou no final dos anos 1980, no Rio de Janeiro, pelo estudo do suporte bidimensional e planar pictórico, o qual foi posteriormente acompanhado por uma vasta produção escultórica com madeiras encontradas nas ruas, em canteiros de obras e escombros. Interessado em alcançar métodos simples e econômicos no desperdício de material, Tostes iniciou sua investigação com essa madeira descartada, desenvolvendo esculturas aparentemente despojadas de complexidade estrutural e que carregam em seu corpo os sulcos e marcas dos usos anteriores, tal como uma voz própria, que se eleva na categoria de arte. Nesse processo, o artista executou peças como as longilíneas “Escoras” (2005) que se apoiavam na arquitetura, e o conjunto com galhos secos que sugeria uma espécie de floresta, em “Baque Virado” (2011). Os “Elementos” desta mostra individual são, portanto, mais um desdobramento dessa pesquisa com a madeira e podem ser definidos, mesmo sem muita precisão, como objetos-relevos de parede.

Embora aponte para uma essencialidade da forma e da matéria, e de certo modo da própria fatura, a escultura e os relevos de Tostes dispensam o rótulo minimalista, posto que o artista não trata de expor a essência ou identidade de um objeto pela eliminação de todas as formas, procedimentos ou conceitos que não lhe sejam fundamentais. Se há um grau de minimalismo nas suas esculturas e nos “Elementos”, este reside basicamente na importância concedida ao material utilizado; Afonso Tostes assume todas as imperfeições e marcas do tempo como estão, sem no entanto, exibi-las como oportunos achados artísticos. De fato, a crueza da madeira velha não é dissimulada, mas é manipulada com cuidado até tornar-se obra cálida, sensual e sofisticada, ainda que aparentemente instável.

Se, por um lado, a essencialidade da obra de Tostes não segue exatamente na direção do minimalismo, a rudeza do material e a imprecisão das formas tão pouco se incluem no discurso da estética do precário ou da gambiarra, dois termos-conceitos bastante utilizados nas últimas duas décadas no Brasil, para defender certa identidade nacional refletida na arte recente.

Em “Elementos”, o artista aponta relações com totens e objetos mágicos e eróticos da cultura afro-brasileira, mas também os relaciona aos geométricos “objetos ativos” e “pluriobjetos” de Willys de Castro, os quais são igualmente peças de parede, de difícil categorização enquanto esculturas ou obras bidimensionais. Além destas aproximações, os abstratos “Elementos” podem ainda remeter à desordenada forma da escultura cubista, nas quais figuras mostram-se em eterno processo de desmanche, abrindo-se para a harmonia da forma imperfeita em movimento incessante.

Afonso Tostes assume seu trabalho como um exercício contínuo e respeitoso, uma vez que compreende a responsabilidade do artista em não ser um mero fazedor de coisas, mas um propositor de experiências sensíveis que devem ser postas no mundo com olhar crítico, mesmo que não se esteja atuando politicamente, nem discutindo na arte a vida como ela é ou poderia ser.

Daniela Labra – Junho de 2012

* Texto escrito por ocasião da exposição indvidual do artista na galeria Luciana Caravello Arte Contemporânea, RJ.

No Comments »

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. | TrackBack URI

You can also bookmark this on del.icio.us or check the cosmos

Leave a comment

XHTML ( You can use these tags): <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> .