Travessias: Programa de fim de semana

Neste final de semana tem programação especial no Travessias, no Galpão Bela Maré.

Sábado a partir das 16horas tem performance Alexandre Sá nas ruas do Bairro e das 18-20h farei a mediação da conversa entre os artistas Matheus Rocha Pitta, Coletivo Filé de Peixe e Alexandre Sá.

No domingo, dia 04, promovo uma visita guiada à exposição a partir das 16h.

HAVERÁ VAN SAINDO DO BAIXO GÁVEA A PARTIR DAS 15:30, a cada 30 min, por r$ 8,00.

Veja a programação completa no site http://www.belamare.org.br/

E agora com a palavra, a artista

Apesar do episódio da censura de Nan Goldin no Rio de Janeiro ter acalmado, as palavras da artista refletem sobre um mundo em desvio para a direita, apoiado por muito capital. E a arte? Parece que lhe estão impondo que se adeque às regras…

::::

Fotógrafa Nan Goldin, que teve mostra vetada pelo Oi Futuro, no Rio, fala sobre os limites da arte e o perigo representado pela ingerência do mercado no que é exibido
30 de novembro de 2011 | 20h 22

Roberta Pennafort/RIO

A fotógrafa norte-americana Nan Goldin já não sabe mais se vem ao Brasil no início de 2012 para aquela que será sua maior exposição por aqui. Está chocada com o veto do Oi Futuro, instituição que patrocina a mostra (agora transferida para o Museu de Arte Moderna da cidade), a fotos que mostram crianças “num ambiente acolhedor e amoroso” e que integram sua famosa série “A Balada da Dependência Sexual”, iniciada em 1976.

Nan Goldin disse estar chocada com o veto do Oi Futuro. A polêmica, reverberada por artistas e críticos no Facebook, se centrou nas imagens de crianças na cama com os pais, que estão sem roupa e se acariciam.

Em entrevista ontem à tarde, de Paris, por telefone, a artista foi além: falou dos limites da arte, do perigo de seu controle pelo mercado e de sua percepção do presente e do futuro.

O veto à sua mostra está tendo grande repercussão na comunidade artística do Brasil. Um dos pontos levantados diz respeito à ingerência das empresas privadas em questões artísticas. Você considera isso perigoso?

É perigoso. As grandes empresas são conservadoras por natureza. A política delas não é a mesma que nós artistas apoiamos. Em muitos países exposições são, em sua maior parte, financiadas por essas grandes empresas, o que pode ser um problema. É responsabilidade do artista lutar contra qualquer pressão que possa limitar sua liberdade de expressão. A censura começou a se tornar um problema enorme no fim dos anos 80, com Robert Mapplethorpe e Andres Serrano (artistas que enfrentaram problemas de financiamento por trabalharem com imagens consideradas indecentes). Foi aí que ficou claro que os que tinham o dinheiro tinham o poder de controlar o que estava sendo mostrado.

Então qual seria a solução?

Depois que a conscientização cresceu, por conta desses dois casos, os artistas se tornaram mais ativos politicamente, forçando museus a mudar os programas que excluíam pessoas de cor, mulheres e gays. Eu, por exemplo, me recusei a assinar um compromisso em Nova York em 1989 de não fotografar mais os gays e de não fazer qualquer tipo de trabalho voltado à sexualidade. Com isso, não recebi financiamento.

Por que razão, mais de 20 anos depois de sua primeira exibição, “A Balada” ainda provoca reações fortes assim, na sua opinião?

Mas não provoca, em lugar algum. Não tenho esse problema há muitos anos. O trabalho já foi aceito como uma obra de arte importante. Outras coisas aconteceram e eu fui censurada, mas “A Balada”, não.

Como você reagiu ao que houve agora no Oi Futuro?

Fiquei chocada. O Brasil é percebido como um país socialmente livre, de pessoas sem problemas com o corpo, então foi chocante.

Você pensa em não vir mais?

Penso. Ainda não decidi, não posso responder. O apoio da comunidade artística brasileira me tocou, e isso me dá vontade de ir. O que eu sei é que a exposição vai acontecer, em fevereiro. Iria em janeiro, mas não sei como me sinto sobre isso tudo.

O cancelamento suscitou a discussão sobre as fronteiras da arte. Essa questão ainda se justifica, a seu ver?

A arte deve empurrar as fronteiras, essa é a sua natureza, é uma das razões pelas quais a arte precisa existir. O papel da arte é questionar, seja ela conceitual, experimental ou política. Tem que ser radical, seja questionando a sociedade, a diferença de gêneros. Não deveria ser limitada por fontes de financiamento nem pelo mercado, nem ter de pensar no status quo. Mas tudo é limitado pela questão do dinheiro. Não é o que a arte deve ser. Se a arte é controlada pelo mercado, como parece ter sido o caso, ela se compromete, e isso tira sua integridade.
As fotos com as crianças são consideradas problemáticas, porque feririam o Estatuto da Criança e a Adolescente do Brasil. Ninguém me explicou até agora: do que trata a legislação?

É uma lei protetiva específica, que existe há 20 anos e que proíbe a exposição de menores a cenas tidas como pornográficas.

Uau, eu não sabia… Essa lei funciona? Numa sociedade com tantas crianças na rua, que têm de fazer de tudo para sobreviver? Eu já fui ao Brasil três vezes. Soube que houve um massacre pela polícia quando as crianças dormiam (chacina da Candelária, em 1993). Elas não estão recebendo apoio. Alguns artistas apoiam, como Carlinhos Brown, com seu projeto com música. Não faz qualquer sentido. Estão criando problema com fotos de crianças que são filhos de amigos meus há 20 anos, que estão num ambiente acolhedor e amoroso, onde há sexualidade, enquanto há crianças na rua, se prostituindo e fumando crack. Qual é o problema mais sério? Ninguém pode apontar uma foto minha em que a criança não sabia que estava sendo fotografada, ou que esteja sofrendo abuso.

Como você vê essas fotos hoje, que relação afetiva tem com estas imagens?

As pessoas retratadas se orgulham de fazer parte de “A Balada”. As crianças que hoje são adultas não se arrependem. Nenhuma delas. Uma ou outra pessoa se incomoda ao ver seu passado mostrado, e nesse caso não incluo mais no slide show. Antes de um livro, ligo para todos os que ainda estão vivos (vários morreram em decorrência da epidemia de Aids dos anos 80) para ter certeza de que eles querem estar no livro. A minha integridade é uma das coisas mais fortes da minha vida e no meu trabalho. É muito fácil explorar pessoas com a fotografia.

Para você, o que significa este episódio?

O mundo está regredindo. A tecnologia está tirando das pessoas as emoções reais. Não sei como isso se reflete nessa situação, mas vejo que o mundo é totalmente diferente daquele em que eu cresci. Que bom que eu estava viva nos anos 60, 70 e 80, porque isso significa que eu não cresci orientada por um computador.

Nas redes sociais, questiona-se o uso do termo “censura”.

Em inglês, a palavra é essa. Talvez não o seja no contexto brasileiro, ou da Argentina ou da Espanha, que tiveram ditaduras, talvez pareça exagerado. Mas para mim, que venho de uma sociedade supostamente livre e democrática, a palavra é exatamente essa. As pessoas estão olhando preto no branco, não estão vendo as nuances dessa história, o que é perigoso.

Os artistas estão ironizando o fato de o “censor” se chamar Oi Futuro.

É um pouco assustador. O futuro já parecia ruim o suficiente.

http://www.estadao.com.br/noticias/arteelazer,cancelamento-de-exposicao-no-rio-deixa-artista-norte-americana-chocada,805090,0.htm

Pós-Não Nan Goldin: colaboração de Roberto Cabot

Lei do Silêncio na cultura

O caso de censura da exposição Nan Goldin no Oi Futuro se inscreve numa seqüência de eventos semelhantes, todos eles expressão, a meu ver, da conjunção de numerosos fatores.Entre os mais óbvios está o despreparo de pessoas incumbidas de responsabilidades pesadas na gestão da arte. A arte contemporânea não costuma ser inerte, um bom mediador controla as reações e interações com o meio ambiente, por mais corrosivas que sejam, e administra a situação para o bem da arte.

Porém, obviamente num ataque de pânico, decidiu-se cancelar uma mostra internacional já acertada, desrespeitando um edital outorgado dentro das regras da própria empresa. O motivo na base de todas as explicações que virão ou não, é o medo. As explicações até agora são vagas, e revelam uma curiosidade: o centro Oi Futuro não é uma instituição dedicada a difusão da arte contemporânea, mas é um centro educativo, direcionado ao público infantil e adolescente.

Por que uma instituição cultural se apresenta como centro de arte e cultura contemporânea mas oficialmente é uma escola? A qual ainda nos explica de repente que não tem compromisso com a arte porque sua vocação é pedagógica… A política a pública de incentivo à arte e à cultura induz à sistemática instrumentalização da arte como meio educativo. Para poder se beneficiar das Leis de incentivo o projeto deve imperativamente ser “educativo”. A isso se adiciona uma concepção paternalista do papel do Estado, que “protege” o cidadão das más influências e de tudo que possa transgredir o sonho de mundo perfeito que nos vendem as grandes corporações.

Graças a essas “leis protetoras” (leia: proibições) deixamos de debater questões importantes, posto que a informação nem é divulgada. Ao mesmo tempo, o Estado delega a aplicação de recursos públicos destinados à cultura às corporações, que tendo como objetivo valorizar sua imagem não tendem a apoiar posições que possam associar suas marcas a conteúdos polêmicos. E por fim, acredito que a sociedade sofre pressões por parte de grupos organizados que se dedicam a “denunciar” e exigir a proibição de manifestações que consideram inaceitáveis para sua idiossincrasia, pressionando empresas e instituições públicas,que passam a viver no pânico de serem tachados de “imorais” e perderem clientes, visitantes ou votos.

Parece que se pratica uma espécie de lei do silêncio cultura. Passamos pela censura dos humoristas durante a última campanha eleitoral, o fechamento da exposição da artista Marcia X, o triste episódio da prisão sumária dos pichadores da Bienal de São Paulo, a proibição recente de filmes e outras proibições de obras de arte, agora este evento.

As imagens que Nan Goldin apresenta não são encenações, são registros de uma realidade, de existências reais, portanto, com que direito proíbe-se a manifestação dessa realidade? Por que teríamos que escamotear essa faceta do mundo que compartilhamos? Por que não cola com a estética das novelas? Por que não condiz com a visão de mundo da zona sul? Novamente vejo o medo na origem dessa atitude: o medo de encarar o outro lado do shopping…

Este episódio é assustador também pelo provincianismo que revela, já que Nan Goldin é uma artista aclamada internacionalmente, e esse tipo de discussão em torno do seu trabalho já ocorreu em numerosas ocasiões, há décadas atrás…

Resta desejar que esta série de incoerências e erros seja parte de um processo de abertura e modernização da nossa sociedade, e que ainda tenhamos a ocasião de ver essa mostra que só enriqueceria a nossa paisagem cultural e contribuiria para nos colocar a altura da discussão contemporânea internacional.

Roberto Cabot, Nov. 2011

Nan Goldin tem projeto adiado e remanejado no Rio de Janeiro


Fotos: Nan Goldin

* Final feliz mas nem por isso isenta-se de reflexão o ocorrido: a exposição de Nan Goldin vai acontecer no mam-rj, com abertura em 13/02/2012 e patrocínio do Oi Futuro – porém ainda assim mantemos o texto abaixo pois o momento da cultura no Brasil merece ser discutido.

No Brasil da tecnocracia Dílmica, cada vez mais observamos projetos de arte patrocinados por grandes corporações, que por meio de descontos fiscais de leis de incentivo à cultura realizam exposições em nome da arte e de seu marketing. Isso poderia não ser de todo um problema não fosse o fato de que o investimento em artes tem sido mais e mais instrumentalizado e direcionado a projetos espetaculosos e acríticos, que evitem manchar o nome da instituição e também não venham a ferir o público. E o que seria exatamente este “ferir”?

Observamos que o espectador consumidor de produtos culturais vem sendo tratado de modo infantilizado, submetido a regras padronizantes que simplesmente esterilizam de ante-mão o que a arte tem como maior potência: a possibilidade de gerar reflexão crítica e discursos sobre o mundo controverso que habitamos.

Dentro dessa perspectiva esterilizante, o Oi Futuro, no Rio de Janeiro, instituição dedicada a projetos educativos e sem fins lucrativos (também pudera, a empresa mantenedora lucra com telefonia e tem isenção fiscal quando investe em cultura), acaba de vetar uma exposição de uma das artistas mais interessantes do final do Século XX, que é a fotógrafa Nan Goldin. A mostra iria acontecer em Janeiro de 2012, e sua supensão deveu-se ao temor de que a artista expusesse fotos de crianças junto a imagens de adultos em situações-limite.

Um jornalista me contou que a instituição havia vetado imagens de crianças nuas em princípio, e que a artista acatou. Porém, a censura se fez quando foi exigido que fotos de crianças vestidas também não integrassem a mostra. Diante disso, a perspicaz Nan Goldin sugeriu então colocar tarjas pretas sobre todas as fotos expostas, explicitando assim a ação censora institucional. Esta sugestão desagradou ao Oi Futuro que suspendeu a exposição.

A curadora independente e responsável pelo projeto, Ligia Canongia, afirmou em carta aberta que os curadores da instituição desconheciam o trabalho de Nan Goldin e que, ao verem as imagens duras – e humanas – da fotógrafa retiraram o projeto da agenda. Não ficou claro, no entanto, se o patrocínio também seria suspenso.

De certo, não conferi pessoalmente os fatos com o centro cultural, mas os jornais divulgaram tal versão hoje. De qualquer modo, houve um adiamento da exposição de Nan, aparentemente em nome de uma moral e de bons constumes que estão prá lá de abalados e caducos na contemporaneidade, o que só nos faz rir e lamentar este papelão.

O ocorrido nos leva a pensar realmente sobre a idiotização do público, a quem lhe é negado o direito de opinar e discutir algo que pode ser ou não polêmico. Em nome dessa certa ética e moral em franca crise, o indivíduo não tem mais livre arbítrio para decidir o que deseja apreciar ou não. Os poderes do capital e do Estado normatizam a vida privada e a saída parece ser mesmo afiliar-se a uma Igreja pentecostal e esperar a salvação do Messias com seu saco de presentes, pois pensar criticamente não é mais possível.

Na cidade que sofre uma reforma brutal para receber espetáculos desportistas em breve, e onde o custo de vida tornou-se estratosférico, notamos que a alienação é a melhor parte do jogo para os investidores. A maquiagem carioca não consegue lidar com os conflitos e crises da contemporaneidade, preferindo primeiro fazer calar.

Nan Goldin, que já expôs nas mais importantes instituições e mostras do mundo, não tem espaço nesta cidade onde o caos e a arbitrariedade imperam, posto que suas imagens são “chocantes”. Pois eu prefiro o choque da arte ao choque imposto pela ignorânica e a hipocrisia.

Viva Nan Goldin! Viva a humanidade de seus retratos dos excomungados pela “sociedade de bem” que se nega a ver beleza onde em princípio so há feiúra e decadência.

O ser humano é lindo mesmo em sua solidão e desespero. Essa é a mensagem de Nan.

Bela Maré :: Centro de Artes Visuais da Maré

No dia 26/11/2012 inaugura “Travessias”, o primeiro evento do centro de artes visuais Bela Maré, localizado no Complexo da Maré, Rio de Janeiro. O projeto é único em sua natureza e intenciona promover diálogos e experiências a partir de obras, ações e intervenções de artistas contemporâneos de reconhecida atuação no Brasil.

De 26 de Novembro às 17:00 a 18 de Dezembro de 2011

Local: Galpão Bela Maré. Rua Bitencourt Sampaio, 169 (entre as passarelas 9 e 10 da Av. Brasil), Rio de Janeiro. Entrada Franca.

O evento inclui uma série de atividades com curadoria de Daniela Labra, Frederico Coelho e Luisa Duarte como exposição, intervenções urbanas, exibição de vídeos, performances, oficinas, palestras e festas.

Artistas: Andre Komatsu, AVAF, Henrique Oliveira, Lucia Koch, Luiz Zerbini, Marcelo Cidade, Marcos Chaves, Matheus Rocha Pitta, Raul Mourão, Ricardo Carioba, Rochelle Costi, Alexandre Sá, Filé de Peixe, Michel Groisman, Davi Marcos e Coletivo Pandilla Fotográfica.

A abertura acontece às 17horas com bate papo com os curadores seguido de uma grande festa às 19horas no local.  A entrada é franca.

Veja a programação de oficinas e palestras, além de dicas de como chegar no galpão Bela Maré aqui mesmo:

http://www.artesquema.com/seminario-arte-crime-insubordinacoes/travessiasbela-mare-centro-de-artes-visuaisrj/

 

Olimpíadas prá quem?

Em meio à bolha de espetáculos e maquiagem da cidade do Rio de Janeiro, uma iniciativa se coloca como possibilidade de discutir o lado de fora do show.

No periodo de 11 a 18/09 foi realizado o encontro Cartografias Insurgentes, no Morro da Conceição – zona residencial tradicional da região do porto, que vê se aproximar o impacto dos projetos de remodelação na vida dos moradores.

Para conhecer a proposta e ver uma séire de materiais produzidos pelos que participaram, visite

http://cartografiasinsurgentes.wordpress.com/

Festival Performance Arte Brasil

Festival Performance Arte Brasil

De 22 a 27 de março no MAM do Rio de Janeiro. Entrada Franca

Performance Arte Brasil é um encontro nacional de artistas, curadores e pesquisadores da arte da performance, voltado para a discussão de seus desdobramentos estéticos no campo das artes visuais. O evento tem a duração de seis dias consecutivos e oferece em sua programação ações ao vivo, palestras, vídeos, filmes de artistas e videoinstalações, reunindo cerca de cinquenta profissionais que lidam com a prática performática nas diferentes regiões brasileiras.

As atividades apresentadas aqui proporcionam ao espectador-participante experiências calcadas no tempo presente e na ação real, que dispensa recursos de representação para se alinhar com o risco do acaso. Desse modo, todo o festival se dedica à fruição e também à reflexão da performance arte: esta peculiar prática artística interdisciplinar que processa e ressignifica em ações presenciais de alta carga poética atos extraídos do cotidiano.

A pluralidade de artistas e propostas que integram a programação foi conseguida graças à equipe curatorial formada por especialistas de diferentes estados brasileiros. Conceitualmente, pode-se dizer que as atrações se dividem em dois núcleos: o Contemporâneo, que localiza artistas e pesquisadores com carreiras iniciadas há menos de quinze anos; e o Histórico, que discute artistas, obras e acontecimentos de referência cuja revisão crítica integra o projeto de construção de uma historiografia da performance arte nacional, ainda em formação.

Em um momento em que a performance arte se reposiciona com força no cenário artístico contemporâneo, eventos de caráter nacional como este são importantes para afirmar a qualidade deste tipo de produção e refletir sobre a sua potência estética, no Brasil e no mundo.

Performance Arte Brasil é um encontro inédito, neste formato, junto a uma instituição de referência como o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Sua realização foi possível por meio do apoio para Festivais de Fotografia, Performance e Salões da Funarte/MinC.

A todos os artistas, curadores, técnicos e espectadores envolvidos no acontecimento desta grande experiência estética, expressamos aqui o nosso muito obrigado.

Daniela Labra

Curadora-geral

+ infos   www.mamrio.org.br

www.performanceartebrasil.com.br

Rio de Janeiro: cidade-espetáculo (uma curadoria on-line)

Fernando Reis Vianna

Parafraseando Daniel Lima, artista paulistano, damos título a este post em tempos de guerra urbana e febre midiática na cidade-símbolo do país do Samba, Futebol, Malandragem, Sexo e água fresca…

A chapa tava quente nas praias cariocas há tempos, e as cifras milionárias que circulam com o tráfico eram sabidas por todos. Mas décadas de omissão corrupta dos políticos locais permitiram que o problema se tornasse um monstro que se soltou agora. No meio da guerra, civis pobres sofrem na mão de falsos heróis. E por isso a sociedade precisa estar alerta, monitorando os passos do proclamado protetor sempre cercado por elementos de conduta duvidosa…

O tráfico de armas e drogas não vai acabar no Brasil nem no mundo, mas desejamos que o Rio de Janeiro deixe de ser o grande foco de violência, corrupção e comércio ilícito que se transformou.

Pensando neste momento, dedicamos o espaço a artistas baseados no Rio que comentam a problemática da cidade a seu modo.

(obs. arquivo em processo: aceitamos sugestões de artistas e imagens).

Ducha. Projeto Cristo Redentor. Intervenção não autorizada na estátua do Cristo Redentor, 2000

Herberth Sobral. Tráfico manda fechar o comércio, 2010

Leonardo Ramadinha. Série Ponto 30 (calibre de fuzil com capacidade para derrubar helicópteros).

Daniel Lannes. Bloco. Óleo sobre tela,  2009

Geraldo Marcolini. Série Celebridades (Marcio VP). Lã bordada sobre tela, 2002

Ronald Duarte. À Sangue Frio. Intervenção urbana, 2003.

Alexandre Vogler. Tridente. Intervenção urbana em Nova Iguaçu, RJ. Registros da repercussão da ação no Município carioca.

Alexandr Vogler: repercussão da intervenção Tridente em Nova Iguaçu, RJ

Repercussão na mídia da intervenção Tridente, de alexandre Vogler em Nova Iguaçu, RJ

Raul Mourão. Drama.doc, 2003

Guga Ferraz. “Em caso de assalto” intervenções com adesivos, 2007;”Zona de conflito”, mapeamento, 2005

Paula Trope. Registro e acompanhamento do Projeto Morrinho. Comunidade do Pereirão.

Cristina Ribas. Gráfico (clique para ampliar).

Outras colaborações:

Simone Michelin. Qualia, 2010  http://www.simonemichelin.com

Fernando Reis Vianna. Texto.
http://fernandoreisvianna.blogspot.com/2009/12/o-menino-nao-gente-merda-chora-no-chao.html

Ajudaram a constituir esta seleção: Amanda Bonan, Daniela Name, Ni da Costa, Leonardo Ramadinha, Simone Michelin, Fred Coelho e outros amigos do Facebook.