Música boa de se ouvir e dançar

Quer ouvir uma música boa para animar sua tarde?

Então acesse o link   http://globoradio.globo.com/RadioClick/Player/1/0,,KY982257-5935,00.html

ou visite o site www.festaphunk.com e clique no atalho indicado.

Trata-se de uma parceria da carioca festa Phunk! com a rádio Globo FM online. Durante esta semana, que antecede uma edição da festa na Gafieira Elite, no Centro do Rio, um set de 1 hora está direto no ar. É a Phunk em casa! E se você não conhece o som, é imperdível…

No site da Phunk também tem mais informações sobre a festa do dia 21 de março, prá quem mora na cidade, ou para quem vem ao show do Radiohead na sexta.

Não existe projeto de reformulação da Lei Rouanet

“Não existe projeto de reformulação da Lei Rouanet. É uma farsa, um blefe do Ministério da Cultura para empurrar ainda mais com a barriga o que é, ao mesmo tempo, a única fonte disponível do mercado para financiamento a cultura, e o maior problema da cultura brasileira, pois subordina a produção aos interesses privados dos patrocinadores. Como não tem ideia do que fazer com isso, pois não é do ramo, não entende do assunto, o Ministro resolveu jogar para a torcida. E levou isso ao limite da irresponsabilidade fiscal, ao gastar os tubos com propaganda política para algo que não existe.”

Leia o texto na íntegra no blog do Cultura e Mercado. Texto de Leonardo Brant.

Próxima parada: Investigações Pictóricas – MAC Niterói

INVESTIGAÇÕES PICTÓRICAS

Sete artistas jovens, com carreiras em ascensão e com interesse pela pintura, participam da exposição “Investigações Pictóricas”, de 07 de março a 12 de abril, no MAC Niterói.

Contrariando os críticos que acreditavam na “morte” da pintura, esta se manteve como a mais desafiadora das modalidades artísticas. Prova de sua sobrevivência é justamente a extensa produção que continua a ser desenvolvida por artistas do mundo todo, mesmo os mais jovens e de discurso mais contemporâneo.  A exposição “Investigações Pictóricas” mostra uma pequena seleção da produção atual de pintura brasileira jovem e aponta para pesquisas diversas.

A coordenação geral é da CasaQuattro Comunicação, com produção de Amanda Bonan.

Serviço:
INVESTIGAÇÕES PICTÓRICAS – MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DE NITERÓI
Abertura: 07 de março
Horário: 10h
Visitação: de 07 de março a 12 de abril de 2009.
Horário: de terça a sexta das 10h às 18h
sábados e domingos de 10h às 19h
Local: Museu de Arte Contemporânea de Niterói.
Endereço: Mirante da Boa Viagem, s/nº. Niterói, RJ • CEP: 24210-390
Tel: (21) 2620-2400 • Fax: (21) 2620-2481
www.macniteroi.com.br
Ingresso: R$ 4,00 (estudantes com carteira e adultos acima de 60 anos pagam R$2,00; crianças até 7 anos não pagam; as quartas-feiras a entrada é franca)

Simpósio traz debate sobre sociedade da vigilância para o Brasil

As possibilidades técnicas de vigiar as pessoas nos dias atuais são cada vez mais amplas. Seja por meio de câmeras de vigilância, celulares, sistemas de GPS nos veículos, Internet e tecnologias de comunicação em geral, ou pela mera utilização do cartão de crédito, cada um de nós está cada vez mais sujeito a estar em situações nas quais outras pessoas, sejam de organismos públicos ou privados, podem saber sobre nossa rotina diária.

Em conexão com essas mudanças profundas, acontece o Simpósio Internacional e Interdisciplinar Vigilância, Segurança e Controle Social na América Latina,entre os dias 04 e 06 de março, na PUC do Paraná. Trata-se do primeiro evento no Brasil que busca reunir pesquisador latino americanos para debater de forma direta questões relativas à “sociedade de vigilância” e outros assuntos correlatos, como segurança, violência, cidades e tecnologias de comunicação, dentre outros. O evento será gratuito e tem vagas limitadas.

A conferência de abertura do evento, no dia 04 de fevereiro, está por conta do sociólogo David Lyon, da Universidade de Queen’s. Ele é coordenador do projeto de pesquisas Surveillance Project (www.surveillanceproject.org), editor da revista Surveillance & Society, e autor de vários trabalhos como “The electronic eye: the rise of surveillance”.

O simpósio contará também com a presença de mais três conferencistas:
Nelson Arteaga Botelho, da Universidade Autônoma do México e Luiz Antonio Machado, do Iuperj, ambos com conferências no dia 05, e do geógrafo David Murakami Wood, da Universidade de Newscastle (Inglaterra), no encerramento do dia 06. Além das conferências, o simpósio terá sessões para discussão de mais de 40 pesquisas e estudos reunidos sob os seguintes temas: “Crime Espaço e Lugar”, “Vídeo-vigilância”, “Políticas públicas”, “Culturas de vigilância”, “Vigilância institucional”, “Cidadania, comunidade e controle”, “Sistema penal”, “Retóricas d crime e medo”, “Novas tecnologias de vigilância”.

Dentre as apresentações de trabalhos vale destacar o da geógrafa e urbanista Hille Koskela, da Universidade de Helsinki, sobre um website temporário, o Texas Virtual Border Watch Program, no qual qualquer pessoa que quisesse poderia participar do controle de fronteira entre EUA e México, bastando registrar-se para ter acesso às webcams e sensores.

Estudos de Vigilância
Os chamados Estudos sobre Vigilância (Surveillance Studies) compõem uma área interdisciplinar de pesquisa que se dedica a refletir sobre a ‘sociedade de vigilância’. Esse é um conceito que vem sendo desenvolvido,sobretudo, em países da Europa e América do Norte, e ainda é pouco observado ou explorado além dessas regiões.

A tentativa de reunir no Brasil pessoas que vêm pesquisando a vigilância na América Latina e no mundo tem como objetivo mais direto impulsionar essa área de pesquisa no país e região, além de sinalizar a necessidade de mais debates acadêmicos e políticos sobre o tema.

De acordo com um dos organizadores do evento, o arquiteto e urbanista Rodrigo Firmino, da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, os estudos sobre vigilância ainda são bastante dominados por perspectivas do hemisfério norte, mas a vigilância tem se tornado um tema importante e tem merecido cada vez mais reflexão e avaliação por parte de diferentes áreas do saber em diversas partes do globo. “Os países do hemisfério sul – destaca Firmino – também são lugares onde vigilância e controle social apresentam impactos diretos e viscerais, e que normalmente passam despercebidos no nosso cotidiano. Não podemos nos abster de debater sobre
o assunto”.

Serviço:
Simpósio Internacional e Interdisciplinar Vigilância, Segurança e Controle Social na América Latina
Data: de 04 a 06 de março de 2009
Local: Pontifícia Universidade Católica do Paraná (Curitiba)
Auditórios 1 e 2, Centro de Ciências Jurídicas e Sociais (bloco vermelho)
Av. Imaculada Conceição, 1155 – Prado Velho, Curitiba, PR, Brasil

Mais informações sobre o evento pelo e-mail: [email protected]
Ou no site do evento: http://www.ssscla.com

Comissão organizadora:
**Rodrigo Firmino [Programa de Pós-Graduação em Gestão Urbana, Pontifícia
Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Curitiba, Brasil]
**Fernanda Bruno [Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura,Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Brasil]
**Marta Kanashiro [Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo e Grupo Conhecimento, Tecnologia e Mercado, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, Brasil]
**Nelson Arteaga Botello [Facultad de Ciencias Políticas y Administración Pública de la Universidad Autónoma del Estado de México]
**David Murakami Wood [Global Urban Research Unit, Newcastle University,
Reino Unido]

Realização: Programa de Pós-Graduacação em Gestão Urbana e GTU-International (PUCPR)
Apoio: Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Universidade federal do Rio de Janeiro, Revista Surveillance & Society,e Surveillance Studies Network

CONTEMPORÃO

C O I S A S   A C O N T E C E N D O:

Contemporão Espaço de Peformance é uma entidade localizada em Florianópolis, perto da UFSC, focada no tema da performance das artes plásticas e seus desdobramentos.

O espaço tem como objetivo promover trabalhos de artistas plásticos considerando desde ações ao vivo, até possíveis prolongamentos dessa prática artística como fotografias, vídeos, ações participativas, entre outros.

O Contemporão, além de interagir com variados espaços e contextos, deseja apoiar uma produção experimental que aproveita os riscos dos processos. Assim sendo, o espaço pretende trabalhar o conceito de eventos efêmeros, bem como apoiar artistas cujos projetos apresentam um tipo de densidade poética desafiadora.

O Contemporão vai incentivar o debate cultural e a troca de idéias e informações através de cursos e de palestras sobre o tema da performance.

Contemporão Espaço de Performance

Rua Frederico Veras, 596, travessa 7

Pantanal, Florianóplis, SC

Tel: 48-99149920

Email: [email protected]

Coordenação:

Yiftah Peled

Elaine de Azevedo

Performance Presente Futuro: o livro

Recentemente foi lançado o livro-catálogo do evento Performance Presente Futuro que aconteceu no centro Oi Futuro, Rio de Janeiro, em agosto de 2008. A publicação foi editada pela editora Contracapa em parceria com a Oi Futuro e possui artigos de colaboradores como Orlan, Bia Medeiros, Stelarc, Silvio de Gracia, Ricardo Dominguez e Rosangella Leote. Além dos textos, também apresenta registros do evento com suas performances e palestras.

Em breve estará disponível para download no artesquema.  Enquanto isso… Boas festas!

capa-livro1

projeto gráfico: João Modé

Fim do primeiro capítulo

Pichadora da Bienal consegue liberdade provisória após 50 dias na cadeia
Da Folha de São Paulo

Caroline Pivetta da Mota, 24, teve reconsiderado seu pedido de habeas corpus no TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo). Após expedido seu alvará de soltura, ela poderá responder ao processo em liberdade provisória.

Sua audiência pública está marcada para 17 de fevereiro de 2009. Nela, serão ouvidas testemunhas de acusação e defesa, Ministério Público e também o taxista e Rafael Vieira Camargo Martins, 27, amigo de Caroline que responde ao processo da Bienal em liberdade. A juíza poderá divulgar sua sentença no dia da audiência ou esperar para reunir mais informações sobre o caso.

Na denúncia do Ministério Público do Estado de São Paulo, Caroline é acusada de se associar a “milicianos” com fins de “destruir as dependências do prédio”. Dependendo do julgamento, ela pode ficar atrás das grades até a próxima Bienal, em 2010, já que o artigo 62 da Lei de Crimes Ambientais (destruição de patrimônio cultural) prevê de um a três anos de prisão.

Caroline ficou presa na Penitenciária Feminina de Santana (zona norte de São Paulo), de onde falou com a reportagem da Folha Online há duas semanas (ouça aqui). “A gente não queria estragar as obras deles [da Bienal], mesmo porque não tinha obra. A obra, ali, nós que íamos fazer”, disse. Ela define “a parada” que faz como “uma agressão visual”. “É para o povo olhar e não gostar.”

Desde então, seu caso provocou reações em todo país, inclusive em Brasília. Os ministros Paulo Vannuchi (Direitos Humanos) e Juca Ferreira apelaram pela liberdade da jovem, o querepercutiu no governo de São Paulo.

Diversos artistas cobraram ajuda da Fundação Bienal na libertação da jovem, e um abaixo-assinado circula na internet com o mesmo pedido. Os curadores da exposição deste ano negam ter responsabilidade no caso.

Hoje, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) recebeu pedido de habeas corpus para soltar Caroline. Caroline já trocou de defesa três vezes e teve dois pedidos de habeas corpus negados. O caso já passou pela Defensoria Pública do Estado de São Paulo e agora está com Augusto de Arruda Botelho, advogado criminalista e diretor do Instituto de Defesa do Direito de Defesa.