Frestas Trienal 2017: Entre pós-verdades e acontecimentos

Frestas Trienal de Artes do SESC: Entre pós-verdades e acontecimentos/ Frestas Triennial: Between post-truths and events.

SESC Sorocaba, São Paulo, Brasil. De 12.8 – 3.12.2017

Curadoria geral – Daniela Labra
Curador assistente – Yudi Rafael
Curadoria educativa – Fabio Tremonte
Curadoria editorial – Ana Maria Maia e Julia Ayerbe

:::::::::::::::::::::::::::::

Artistas: Teresa Margolles, Maria Thereza Alves, Andre Komatsu, Raul Mourão, On Kawara, Marco Lulic, Miro Spinelli, Guerrilla Girls, Daniel Senise, Hector Zamora, Reynier Leyva Novo, Georges Rousse, Celina Portella, Rafael RG, Gervane de Paula, Sergio Zevallos, Rafael Alonso, Hito Steyerl, Sandra Monterroso, Gustavo Speridião, Wanda Pimentel, Francesca Woodman, Daria Martin, Letícia Ramos, Marcius Galan, Dias & Riedweg, NUNCA, Panmela Castro, Daniel Escobar, Daniel Lie, Yvon Chabrowski e +

Frestas Trienal 2017: Entre pós-verdades e acontecimentos

A arte fura.

Esta edição de Frestas associa o nome do evento à noção de interstício: um espaço-entre cheio de sensibilidade e potência criativa transformadora, onde a ambiguidade e a indefinição de conceitos, formas e modelos é explorada de modo poético e crítico. Enquanto o existir nas cidades parece se reduzir a dígitos numéricos em cenários homogêneos de shoppings, conglomerados e condomínios, apostamos aqui na máxima “criar é resistir”, compreendendo a prática da arte e sua fruição como singulares vias propositivas libertadoras do contexto de exaltação da produtividade, competitividade, vigilância e espetacularização da vida.

Considerando que a natureza regrada e acadêmica da arte ruiu há tempos, refletimos sobre a impossibilidade de definir Verdade na obra contemporânea, e também discutimos as narrativas políticas sustentadas por memes e populismos midiáticos amparados em discursos morais e dogmáticos, que ganham força e constituem parte do contexto que a própria arte espelha e reage.

O título da mostra veio antes do termo pós-verdade ser indicado como o mais comentado na internet em 2016. O termo não é novo e seu germe já aparece em Verdade e Política (1967), de Hannah Arendt. Recentemente, ele se tornou protagonista no comentário político internacional, impulsionado pelo afã, de grandes publicações jornalísticas em disseminar, pela rede, opiniões como fatos consistentes que rapidamente ganham status de verdades.

Já a ideia de Acontecimento refere-se à natureza de uma Trienal, e a sua definição na antropologia e filosofia: Acontecimentos, sempre temidos e esperados, como um evento climático, militar ou político, que trazem o risco de um corte irreversível com o passado, marcando transformações profundas no curso histórico e social de comunidades.

Participam da mostra artistas de diferentes nacionalidades, gerações e linguagens, cujas obras trazem questões como ambiguidades formais; transdisciplinaridade; temporalidade; performatividade; gênero e sexualidade; crítica social e artisticidade. Mais da metade dos projetos são comissionados e inéditos, e ocuparão o edifício da Unidade além de vias públicas, outras instituições, lojas e ruínas históricas, criando circuitos de experiências estéticas instigantes entre o SESC e a cidade.

Daniela Labra

Daniel Lie. Passa Logo. Intervenção na arquitetura
Vista geral com instalação de Raul Mourão.
Vista geral com instalação de Sandra Monterroso e fotografia de Edson Barrus.
Vista geral com obras de Sandra Monterroso, Raynier Leiva Novo e Rafael Alonso.
Detalhe de obra de Georges Rousse.

Todas as fotos| all pictures: Matheus José Maria