bolsas-residências no CAPACETE

CAPACETE entretenimentos
REDE NACIONAL FUNARTE ARTES VISUAIS 7ª EDIÇÃO

CONVOCATÓRIA

Estão abertas as inscrições para 2 bolsas-residências no CAPACETE / Rio de Janeiro ou São Paulo 2010 *.

Duração das residências: 2 meses ( novembro e dezembro 2010) + possibilidade de outro periodo*.

Cidades: Rio de Janeiro ou São Paulo; ou outra cidade dependendo do projeto *.

Quem poderá concorrer: artistas, críticos, curadores, arquitetos, DJs e profissionais interessados. Pedimos aos interessados que verifiquem as linhas conceituais do programa CAPACETE no site www.capacete.net

Prazo de inscrição: 30 de setembro de 2010 (até meia noite) / O resultado da seleção será anunciada no ínicio de outurbo 2010 no nosso site www.capacete.net

Valor da bolsa-residência: R$ 2.000,00 por mês (além da bolsa, as residências incluem: transporte de ida e volta para qualquer lugar no Brasil e todos os custos de hospedagem, com exceção da alimentação).

Os candidatos deverão realizar uma apresentação de suas pesquisas no programa do CAPACETE para o público interessado.

* Aceitaremos projetos que não necessariamente exigem que o candidato esteja no Rio de Janeiro ou São Paulo. As justificativas serão analisadas e uma ajuda de custo para hospedagem em outra localidade poderá ser concedida. Caso seja necessário um segundo momento para a realização das devidas pesquisas, tentaremos concretizar este segundo período em algum momento posterior a primeira fase.

Sobre as inscrições:
Para candidatar-se, envie uma descrição da sua proposta, seguindo o contexto dado:

Parte-se do pressuposto de que o Brasil tem ignorado seu passado da ditadura militar (1964/1985), seu período recente mais obscuro.
Conseqüentemente, há que redefinir prioridades e termos num espaço multiracial, tomando simultaneamente em conta os conflitos que permeiam as interações na contemporaneidade e que não podem ser entendidas como um mero “choque de classes sociais”, mas como lugares complexos de conviviabilidade (Gilroy) ou zonas de contato (Pratt), em que a desigualdade de anteriores dependências é prolongada e contestada.

Das inscrições:

Infos e pedidos de ficha de inscrição em: [email protected]

Brazil de gringo: Bob Dylan troca microfone por tela e paga mico

A pintura abaixo não é uma original da feira de domingo da Praça.  Tal obra de arte é apenas um daqueles fenômenos de egolatria incentivados pelo marketing e o sistema de celebridades internacional.

Esta pintura, ruim à beça, é de autoria do cantor Bob Dylan, e integra a série The Brazil Series, exibida com pompa, circunstância e texto “crítico” no Statens Museum for Kunst, em Copenhagen. Sinistro.

Bob Dylan`s painting is a ridiculous pastiche of brazilian popular artworks. He could be painting at home for his own purposes for the rest of his life. Why he didn’t?

http://www.smk.dk/en/explore-the-art/exhibitions/coming-exhibitions/bob-dylan-the-brazil-series/

Achando coisas

Por acaso tropecei numa espécie de artesquema de Bogotá, Colômbia, só que aparentemente desativado.

É o http://ladobarteconsultores.blogspot.com/

Há boas imagens como as abaixo, e alguns textos bons assinados por certa Cristina Ochoa.  Entre eles, vale dar atenção ao sobre Construtivismo na américa latina .

the devil of contemporaneousness…

“But, once again, the devil of contemporaneousness does its deed: whereas the system of modern art was territorialized in a centrifugal structure of centers and peripheries around modernity’s historical monopoly in the liberal-capitalist enclave of the North Atlantic, we now face a regime of international generalization transmitting the pandemic of the contemporary to the last recesses of the earth. In fact, the main reason for the craze surrounding the contemporary art market in recent years (and for its not having immediately collapsed after the plunge of global capitalism) has been the market’s lateral extension: bourgeoises who would previously buy work within their local art circuits became part of a new private jet set of global elites consuming the same brand of artistic products, ensuring spiraling sales and the celebration of an age in which endless “editions” allow artworks to be disseminated throughout an extended geography. In turn, each enclave of these globalized elites drives the development of a contemporary art infrastructure in their own city, using a standard mixture of global art references and local “emergent” schools. Contemporary art is defined by a new global social context in which disenfranchised wealthy individuals (who have abdicated their roles as industrial and commerce managers to the bureaucracy of CEOs) seek a certain civic identity through aesthetic “philanthropy.” In this fashion they interact with a new social economy of services performed by artists, critics, and curators—services with symbolic capital that rests on an ability to trade in a semblance of “the contemporary.”

Contemporary art thus becomes the social structure defined by the dialectic between the new private jet set and a jet proletariat“.

Autor: Cuauhtémoc Medina

Segue In English: http://www.e-flux.com/journal/view/103

Política Cultural e Eleições

Do site Cultura e Mercado, de Leonardo Brant, recebi uns apontamentos que julgo importantes para estimular o debate e o pensamento acerca do futuro das políticas culturais no Brasil.

Porém, aproveito para lançar a provocação: Se em escala federal as políticas culturais se desenvolveram bem nos últimos anos, graças a ministros que pertenceram ao PV, no nível municipal o setor ainda não é levado à sério. Na cidade do Rio de Janeiro, por exemplo, grande capital e vitrine turística deste país, os centros de arte administrados pela Prefeitura tem um orçamento hilário de tão parco.

Na era em que a cultura é entendida como investimento, oportunidade de negócio e geração de renda, a classe artística desta e de muitas outras cidades brasileiras ficam mortificadas com a atenção dada aos viradões espetaculares e comícios culturais, enquanto que os equipamentos culturais já existentes só recebem esmolas. Não faz sentido.

Mas vamos ao debate sobre as plataformas de governo, no Cultura e Mercado:

Dilema do descaso: os candidatos não têm propostas para a cultura por que as pesquisas não apontam cultura como prioridade? Ou as pesquisas não revelam cultura como prioridade por que a mídia não cobre o assunto? Começou a corrida eleitoral e, para variar, a política cultural continua em segundo plano.

Leia + em Cultura e Mercado

Prêmio Registros – vídeos sobre arte

O Canal Contemporâneo lança, pela primeira vez, o “Prêmio Registros – vídeos sobre arte”, que premiará até quatro vídeos sobre arte contemporânea brasileira produzidos entre os anos 1990 e 2010, com prêmios no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) cada.

A convocatória do Prêmio Registros pretende mapear e estimular a produção de registros videográficos com ênfase no documental e ensaístico, priorizando especialmente a experimentação de linguagem e novos formatos. Os documentários e ensaios videográficos inscritos no “Prêmio Registros” devem ser norteados pela arte contemporânea brasileira e seus desdobramentos, em exposições, vernissages, visitas, entrevistas, ateliês e debates.

O “Prêmio Registros” foi concebido a partir da verificação de uma enorme lacuna no que diz respeito à realização de registros de arte contemporânea brasileira na atualidade, apesar da enorme facilidade que os meios digitais possibilitam à produção e divulgação de vídeos. O objetivo deste prêmio é chamar atenção para o tema e, com isso, incentivar a criação de parcerias para a produção de vídeos sobre arte que tragam potencial para a troca de ideias, a promoção de novas ações e o estímulo de discussões sobre arte contemporânea e seu circuito.

Todo o processo, desde a inscrição até a exibição dos vídeos selecionados, será feito pela internet, no sítio do Canal Contemporâneo e com o uso dos canais do YouTube,. Com a publicação dos vídeos na internet, o Canal Contemporâneo dá continuidade a um trabalho que vem desenvolvendo há dez anos junto à sua comunidade: a criação de uma memória coletiva da arte contemporânea brasileira. O uso da internet como suporte permite não apenas difundir e divulgar as criações apresentadas, mas, também, produzir referências para que outras possam surgir.

O “Prêmio Registros – vídeos sobre arte” é produzido com recursos do edital Conexão Artes Visuais MinC/Funarte/Petrobras 2010.

As inscrições iniciam em 10 de agosto de 2010 e serão encerradas às 23h59 de 10 de setembro de 2010.

Contato: [email protected]

Ficha de inscrição: www.canalcontemporaneo.art.br/registros

Realização: Canal Contemporâneo

Este prêmio é produzido com recursos do Conexão Artes Visuais MinC/Funarte/Petrobras 2010.