Um feira é uma festa

A primeira feira de arte dedicada ao comércio de obras de arte moderna foi a Art Cologne, na Alemanha, inaugurada em 1967.  De lá para cá, as feiras de arte se multiplicaram como pães quentinhos pelo mundo todo, e hoje são tão populares como as Bienais e, em certos casos como a Art Basel na Suíça, ou a ARCO, em Madrid, ocupam o lugar de maior evento dedicado às artes plásticas do país.

Fatores já clichês como a espetacularizção, a mercantilização e a globalização da cultura são diretamente associados ao aparecimento deste fenômeno de natureza mercantil. Assim como uma feira de carros de luxo ou de agronegócios, as feiras de arte são um lugar para aquisição de produtos e negociações.

O que chama maior atenção, porém, é o fato de uma feira de artes carregar forte na maquiagem de glamour. Vender e adquirir obras de arte é sinônimo de poder. Porém, como ser artista nem sempre tem essa conotação, a glamourização destes eventos é uma coisa que fica esquisita por que é descolada da realidade do artista e do que é pensar e fazer arte.

No Brasil então, em meio a tantas problemáticas institucionais, é tristemente divertido notar que uma feira de Arte (diga-se: a SP Artes)  se transformou rapidamente num lugar onde artistas – muitos sem galeria e sem grana para bancar seus trabalhos – disputam um lugar para mostrarem seu sorriso e seu perfume nos corredores do feirão.

É desconcertante, mas pela experiência que tive trabalhando em feiras e galerias de arte, constatei que o artista em carne e osso, principalmente aquele que é jovem e sem galeria, é o último na lista de prioridades dos galeristas e dos compradores. Abaixo dele, só vem mesmo o público curioso de classe média, que tem dinheiro no máximo para comprar um livro.

Uma feira é uma festa muito animada. Os convidados plebeus, em sua maioria artistas que produzem obras de arte, vestem a melhor roupa para ajudar a esquentar a cama daqueles que fazem a fama e dinheiro – e cujas preocupações estão mais próximas da experiência lucrativa do que da experiência estética.

Um brinde ao capitalismo!

———

Segue a leve e hilária matéria do Estadão sobre a SP Artes:

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100430/not_imp545049,0.php

International Residence Scholarships at the Kunstlerhaus Schloss Balmoral

I. International Residence Scholarships at the Kunstlerhaus Schloss Balmoral
Six residence scholarships will be awarded to international visual artists.

Each scholarship lasts 6 months. All of them begin in April 2011 and are endowed with 1,200 euros per month and include free accommodation at the Kunstlerhaus Schloss Balmoral.

Eligible to apply for the International Residence Scholarships at the Kunstlerhaus Schloss Balmoral are international artists of any age from the disciplines painting, sculpture, installation, drawing, printmaking, design, photography, video, new media and landscape art.

II. Project Scholarship
The project scholarship, which is not tied to any site, will be awarded to a visual artist. The project scholarship lasts for 6 months and begins in April 2011. It is endowed with 1,200 € per month.??Eligible are international applicants with permanent residence in the Federal Republic of Germany. The artistic project should be realized within the scholarship period of 6 months so that it can be shown at the annual exhibition of the scholarship holders in Bad Ems, Germany.

III. International Curator Scholarship at the Kunstlerhaus Schloss Balmoral
To foster dialog between research and art, Balmoral awards a residence scholarship to a young scholar in the humanities (preferably art history) for a curatorial project to be developed by the scholarship holder and the Kunstlerhaus Schloss Balmoral.

The scholarship lasts 6 months and begins in April 2011. It is endowed with 1,200 € per month and includes free accommodation at the Kunstlerhaus Schloss Balmoral.
Preconditions

The preconditions for all scholarships with the exception of the curator scholarship are a completed course of study in art (M.F.A.) and one to three years (depending on the respective scholarship) of continuous artistic work after the conclusion of the studies.
Applications are also possible for autodidacts distinguished by special artistic achievements, as documented by exhibitions and prizes.

The curator scholarship is awarded to persons who are no older than 35 or whose university degree (at least M.A., preferably Ph.D.) was completed no more than 5 years ago.

To foster artistic dialog and interdisciplinary collaboration, knowledge of German, English or French is expected. For the Curator Scholarship, the mastery of the German language and good knowledge of English of French is essential.

Awarding of Scholarships

A jury of specialists will award all of the scholarships, taking into consideration the developmental potential of the applicant’s artistic or theoretical work. The names of the jurors will be published after the selection.

Additional information and PDF application forms will be available on our homepage http://www.balmoral.de from April 26, 2010 on.

Applications must be made with these application forms. Other applications will not be taken into consideration.

http://www.balmoral.de/english/index.php

Conversas Radiofônicas: links de interesses artísticos

Um desdobrar de conversas sobre arte atual, administradas como uma engrenagem autogerida, difundidas pela Rádio Kaxinawá e pelo Radioforum.

Aqui os arquivos das conversas radiofônicas 01 & 02:

http://www.radioforum.zt2.net/

Aqui os links & as referências comentadas durante e ao redor da conversa radiofônica 02:

O Projeto Moitará Grupo Um e grupo Opavivará

http://moitara.wordpress.com/

O Projeto Acervo, do Leo Videla

http://bananeiras.wordpress.com/2008/03/18/projeto-acervo/

A participação do Kaza Vazia no Projeto Pedregulho da Bia Lemos & Cristina Ribas

http://kazavazia613.blogspot.com/

http://pedregulhoresidenciaartistica.wordpress.com/about/

O projeto do RUST (Radical Urban Silkscreen Team) com o MAC-Niterói

http://www.carnegiemuseums.org/cmag/feature.php?id=127

O Jogos de Escuta, gerido por Bruno Caracol, Marcelo Wasem, Maria Moreira e Mariana Novaes

http://jogosdeescuta.wordpress.com/

A Rádio PortoÁria, de múltiplos gestores

http://radioportoarea.espectroaberto.org/

O Projeto Ondas Radiofônicas de Marcelo Wasem e Mariana Novaes

http://culturadigital.br/ondasradiofonicas/a-proposta/

O jogo Carta Branca de Maria Moreira

http://www.camberwell.arts.ac.uk/25312.htm

Becas Fundación Marcelino Botín de Artes Plásticas 2010-2011

La Fundación Marcelino Botín acaba de abrir la XVIII edición de las Becas de Artes Plásticas para 2010-2011. Son ayudas para formación, investigación o proyectos personales que se cierran con la organización de la exposición Itinerarios y la edición de un catálogo.

La convocatoria esta abierta a personas de cualquier nacionalidad con el único límite de tener entre 23 y 40 años para las becas de formación.

Las ayudas para cada beca son:

* sin cambio de residencia, 16.000 euros
* con traslado a otro país, distinto al de su residencia actual, 24.000 euros;
* y con traslado a Estados Unidos, 28.000 euros.

Estas ayudas comprenden viajes, alojamiento, manutención y alquiler de estudio. Se añadirán las tasas académicas del centro elegido para las becas de formación y el seguro médico siempre que haya desplazamiento.

Los artistas que consiguieron una beca de la Convocatoria XVII para el curso 2009-2010 son: Basma Alshafir (Kuwait, Kuwait, 1983), Erick Beltran (México DF, México, 1974), Felipe Cortes (Bogota, 1978), Nelsón Soriano (Florencia, Colombia, 1976), Marc Vives (Barcelona, 1978), Begoña Zubero (Bilbao, 1962), Javier Peñafiel (Zaragoza, 1964) y Xavier Salaberria (San Sebastián, 1969)

+ info

http://www.fundacionmbotin.org

Seminário Encontros Visuais – Goiânia

Seminário Encontros Visuais – poéticas e retóricas contemporâneas em campo brasileiro
Dias 7, 8 e 9 de abril de 2010
Local: Escola de Artes Visuais da UFG

O seminário Encontros Visuais – poéticas e retóricas contemporâneas em campo brasileiro é uma iniciativa para ordenar, difundir e mapear o atravessamento de experimentações, confluências e discursos que a arte contemporânea brasileira está travando tanto com o circuito de arte local quanto com a rede global de comunicação.

Participantes: Daniela Labra e Felipe Scovino (críticos de arte e curadores-RJ), e os artistas Luiza Baldan (fotografia, RJ), Mauricio Ianês (performance, SP) e Waléria Américo (multimídia, CE).

Veja a Programação